O poder do sacrifício de Jesus

Hb 10. 1 – 18

    Ao pensarmos na palavra “mal”, muitas coisas podem vir à nossa mente. Pode ser algo não tão sério como quando alguém comete um erro e diz: “foi mal”, pois com essa expressão se está fazendo um pedido de desculpas. No entanto, pode ser uma doença séria, ou um problema extremamente complicado. Podemos, também, tratar o mal de forma personificada como sendo uma referência àquele que é o inspirador de todo o mal, que é a maldade em pessoa, Satanás. Ele procura prender pessoas e suas famílias e, como filhos do bem e da luz, precisamos nos posicionar contra toda a espécie de mal e combatê-lo; então, para isso, precisamos conhecer o poder do sacrifício de Cristo.
 

O sacrifício perfeito.

a) Deus tem um caráter santo, justo e perfeito, sendo assim Ele castiga o pecado. Desde o início da história do homem, quando este pecou e se viu nu, logo procurou cobrir a sua nudez com folhas de figueira para apresentar-se a Deus. No entanto, Deus não aceitou o jeito humano de cobrir-se para se apresentar perante Ele. O próprio Deus cobriu o homem com peles de animais. Isso indica que um inocente (um animal) teve que morrer para cobrir a vergonha que o pecado causou no homem. No decorrer do tempo, Deus trouxe a lei a Moisés, dentro da qual instituiu alguns sacrifícios que traziam a morte de animais inocentes para proporcionar uma cobertura do pecado, para então o homem apresentar-se a Deus. Os versículos que lemos mostram que esses sacrifícios não eram perfeitos, tanto é que estavam sendo repetidos constantemente, até que Jesus realizou o sacrifício perfeito.

b) "
Mas quando este sacerdote (Jesus) acabou de oferecer, para sempre, um único sacrifício pelos pecados, assentou-se à direita de Deus." (v. 12). O sacerdote levítico sempre fazia o seu serviço de pé, pois a sua obra nunca terminava. Jesus realizou o sacrifício perfeito em nosso lugar e então se assentou, indicando assim que todo o trabalho tinha sido perfeito.

c) Quando recebemos Cristo como Salvador e Senhor, a perfeição dEle nos cobre, então podemos nos apresentar diante de Deus e alcançar libertação do mal.

 

 

 

 

b) Ser santificado significa ser separado para Deus. O texto bíblico nos diz que fomos santificados por meio do sacrifício de Jesus, que derramou o seu sangue na cruz, o qual nunca foi contaminado pelo pecado, portanto era santo. Quando o sangue de Jesus vem sobre nós, recebemos a purificação dos nossos pecados e somos santificados.

 

 

c) Só quem é separado para Deus (santo) por meio do sacrifício de Jesus, tem a condição de ser liberto do mal e buscar que sua família seja liberta também.

 

 


Tem poder para fazer nossos pecados serem esquecidos.

 

 

 

 

a) “Dos seus pecados e iniquidades não me lembrarei mais.” (v. 17).

 

 

b)  Nós perdoamos, mas nem sempre esquecemos. Contudo, a Bíblia diz que Deus perdoa e esquece. Quando Deus nos olha, Ele nos vê através do sangue de Jesus e, onde está o sangue de Jesus, não há mais pecado. “Portanto, agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus.” (Rm 8. 1). Não precisamos mais carregar culpa sobre nós.

 

 

c) Quem leva o peso da culpa está debaixo da opressão do mal, portanto não tem forças para combater o mal em sua vida, assim como em sua família. Mas a grande notícia é que, por meio do sacrifício de Cristo, podemos ser perdoados de todos os nossos pecados e sermos livres de toda a culpa (Rm 4. 8).
 

 

 

 

Conclusão.
     O sacrifício que Jesus fez na cruz é poderoso porque foi perfeito, tem poder para nos santificar e deixar os nossos pecados no completo esquecimento.


Pr. Silas Zdrojewski

Tem poder para nos santificar.

a)
“Pelo cumprimento dessa vontade fomos santificados, por meio do sacrifício do corpo de Jesus Cristo, oferecido uma vez por todas.” (v. 10).
 
Primeira Igreja do Evangelho Quadrangular
Rua Alberto Folloni, 143 · Juvevê · 80530-300 · 
Curitiba · Paraná · Brasil · 41.3151.5100
facebook · twitter · youtube · pinterest  · linkedin · google+ · grooveshark · issuu
 
 
Historymakers